Paiol reedita samba da Madrinha Colibris de 2006

Numa homenagem ao carnaval virtual, a escola de Nilópolis, vem em busca do título, cantando o samba de 2006 da Guerreira Colibris, dado ao salto de qualidade e ao profissionalismo que vem tomando conta da LIESV.

O presidente Michel Laczinski, conta com o Interprete Thiago Meiners e o carnavalesco Adler Mendes, que junto ao presidente desenvolveram sinopse que vem a seguir:

A Paiol orgulhosamente apresenta: CyberColibri, a Folia dos Bit’s não tem fim!

Justificativa:

A Unidos do Paiol pede a benção a sua madrinha Colibris e licença aos Orixás para pisar mais uma vez na avenida virtual pelo Grupo Especial do Carnaval Virtual da LIESV.

Em 2020, buscaremos nossa inspiração em um enredo da Guerreira Colibris contado em 2006 que celebrava o encontro do Carnaval e da tecnologia, dando origem ao Carnaval Virtual.

Em 16 anos, essa história deu frutos e pode ser recontada. Sendo assim, a Paiol adentrará a João Jorge Trinta trazendo a todos o enredo: “A Paiol orgulhosamente apresenta: CyberColibri – A folia dos Bit’s não tem fim!”.

Prelúdio:

“A Luz de um novo tempo clareou
Em meu samba despertou
A voz da modernidade”

Nossa história começa no século passado, em um encontro inusitado entre dois movimentos aparentemente bastante distintos: carnaval e tecnologia.

Quem diria que estes dois se encontrariam e se transformariam em uma das mais interessantes manifestações culturais da atualidade?

Voe nas asas da Paiol, porque a folia dos bit’s não para!

Desenvolvimento:

“O homem buscou sua evolução
Traçando novos dias pelo chão
E pelas mãos da tecnologia
A mais perfeita comunicação”

O século XX foi marcado por grandes transformações em diversas áreas da humanidade.

No Rio de Janeiro, no terreiro da Tia Ciata, nascia o samba, este gênero musical que tanto amamos. Pouco tempo depois, as manifestações carnavalescas foram se transformando, até darem origem aos desfiles das escolas de samba.

Neste mesmo momento, na mesma América, mas em outro hemisfério, o homem começava a dar luz a uma outra grande transformação, a criação dos primeiros computadores, dando origem à informática e às tecnologias de informação.

“O mundo em evolução
O que virá no amanhecer?
O samba em inovação
Se tornou Broadway ‘pra inglês ver'”

No limiar destas criações, podemos nos indagar o que tais “inventos” poderiam ter em comum. Mas o tempo, implacável como sempre, deu sua contribuição. Com o passar dos anos, samba e informática seguiram evoluindo e, neste movimento, traçaram caminhos distintos, mas que uniram seus destinos.

A computação foi se modernizando e se aproximando a cada dia da população. Saindo das grandes universidades americanas, foi chegando às empresas, às escolas e gradativamente às casas, às famílias. Se espalhou pelo mundo contemporâneo, se unindo aos meios de comunicação cada vez mais modernos e transformando nosso dia-a-dia.

Na contramão, aqui em terras tupiniquins, o carnaval fazia o inverso. Apesar de se popularizar, ele se afastava cada vez mais das pessoas e dos verdadeiros sambistas. O carnaval ganhou ares de megashow, o povão perdia espaço para os mais abastados, a festa embranqueceu e ganhou requinte. Mas perdeu a essência!

Naquele tempo, nos restou o questionamento:

“Será que o samba sambará?
Será que ninguém socorrerá?”

Mas o destino já estava traçado e o encontro aconteceu!

“Afastado do megashow
Meu grande sonho hoje começou
Realidade em um mundo virtual
Ousadia ou fantasia na tela do computador
Nas asas da Colibris, vou plantar minha raiz”

Nas asas da tecnologia, o sambista encontrou uma forma de viver o carnaval e as escolas de samba. Graças aos computadores e à Internet, o folião criou concursos virtuais de enredo que, posteriormente, deram origem a uma manifestação genuinamente contemporânea e brasileira, gestada do encontro da informática e do samba, o Carnaval Virtual.

“Salve a Cabrocha, o pandeiro e o tamborim
Quero apenas ser feliz e seguir cantando assim”

Hoje a Paiol celebra o Carnaval Virtual! Manifestação esta que a fez nascer, assim como a Colibris e tantas outras escolas.
Viva a Canoa Acreana!
Viva a Água da Fonte!
Viva a Vila dos Cabanos!
Viva a FGAF!
Viva a Imperiais do Samba!
Viva a Imperatriz Paulista!
Viva a Altaneiros do Samba!
Viva a Ociosos do Gericinó!
Viva a todas as agremiações virtuais que fizeram e promoveram o Carnaval Virtual, em todas as suas faces e vertentes. As discussões, os rachas, mas também a união, o convívio, o fazer carnaval na tela do computador.
Salve a Guerreira Colibris!
Salve a Unidos do Paiol!

Poslúdio:

“Vem amor,
somos a força do samba que brilhará
Vem amor,
em lindos versos pra folia despertar”

Mas a folia dos bit’s nunca para!
Dezesseis anos depois deste enredo original ser contado, o Carnaval Virtual tornou-se realidade e também um celeiro de novos talentos para o dito “Carnaval Real”. Dito, porque real também somos. E como somos…

Somos compositores, desenhistas, figurinistas, enredistas, carnavalescos. Somos o berço de novos talentos! Somos “Marcus Ferreiras”, “Gabrieis Haddads”, “Leonardos Boras”, “Raphaeis Soares”, “Jorges Silveiras”, “Diegos Nicolaus”, “Guilhermes Estavãos”, da Folia dos Bit’s para o mundo “real”.

Salve o Carnaval Virtual!

Comentários do Facebook