Matinha divulga sua sinopse

Estreando no Carnaval Virtual, a Mocidade Imperial da Matinha divulgou a sua sinopse para o desfile no Grupo de Acesso B em 2017. Com o enredo “A Saga de Leônidas” a escola vai trazer Esparta para a Avenida Virtual. Confira a sinopse:

pavilhao-mocidade-imperial

A Saga de Leônidas

Seu nome significa “Filho de Leão”. Não poderia ser outro, afinal seus olhos vorazes brilhavam sedentos por glória. Uma luta na qual ele não poderia lutar, mas não poderia fugir. Leônidas I foi amado, cantado e admirado por inúmeras gerações. A força do seu grito percorreu vales em marchas sangrentas e aterrorizantes.

Oriundo da dinastia Agida, foi rei e general de Esparta até o fim de sua vida. A lenda de Leônidas I nasceu quando forças persas invadiram a Grécia. O vento cantava nos ouvidos do rei, era o murmúrio da guerra o chamando.

Inquieto, consultou o Oráculo de Dellfos, local onde velhos corruptos e pedófilos alimentados pelas crenças e o medo dos grandes conselhos. Os oráculos disseram:

“Ouçam seu destino, ó moradores de Esparta,
Ou a sua famosa e grande cidade deve ser saqueada pelos filhos de Perseus,
Ou, se isso não pode ser, toda a terra da Lacônia,
Irá lamentar a morte de um rei da casa de Hércules,
Pois nem a força de leões e touros irá segurá-lo,
Força contra força, pois ele tem o poder de Zeus,
E não terminará até que um dos dois seja consumido.”

Certo de sua vitória, Leônidas convocou 300 dos seus melhores homens e partiu para seu passeio infernal pelos arredores gregos. A marcha parecia de três mil homens. Tão ferozes e sangrentos quanto o seu rei. No caminho, outros tantos homens se aliaram à marcha para cumprirem seu papel de bravos amadores.

“Minhas flechas serão tão numerosas que obscurecerão a luz do Sol”, zombou Xerxes ao saber do número insignificante de soldados gregos comandados por Leônidas I. “Tanto melhor, combateremos à sombra!”, ironizou o rei, esperando sua hora de confrontar o deus-rei pessoalmente.

Defendendo o desfiladeiro de Termópilas, o rei, junto aos seus soldados, aniquilou vinte mil persas. O corpo ensanguentado não tirava o gosto de vitória da boca. Após três dias de luta incessante, Leônidas I dispensou os não espartanos e abraçou a morte, caindo junto aos seus comandados.

“Por Esparta!”. O grito do bravo rei virou símbolo da resistência grega, bordão de livros e filmes e hoje ecoa na avenida virtual, quando a Matinha convoca os Espartanos para cair na folia com os imperianos.

Comentários do Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *