Lagarto Feroz homenageará Alceu Valença em 2020

Estreando no Grupo Especial e com novo pavilhão, o Lagarto Feroz inicia seis trabalhos para 2020. A escola tricolor apresentará esse ano uma homenagem ao cantor pernambucano Alceu Valença com o enredo: “Tu Vens, Tu Vens… Eu Já Escuto os Teus Sinais”, de autoria de Dam Fylho. Enquanto na parte musical a intérprete Thati Carvalho vem para seu terceiro ano a frente do carro de som, na parte artística o carnavalesco de João Pessoa, Gerdes Pontes, fará sua estreia no Carnaval virtual. Confira as palavras do presidente Erick Silva:

“1- Escolhi esse enredo devido ao fato do Alceu Valença me lembrar fatos bonitos que eu passei com a minha família
2- O enredo será desenvolvido de maneira a trazer a beleza das canções de Alceu
3- A motivação do enredo é exaltar a música e a cultura popular brasileira. O que vier depois disso é consequência
4- Teremos concurso de samba
5- Aguardem um desfile colorido, belo e grandioso
6- Agradeço a todos que colaboraram para que o Lagarto chegasse ao Especial. Fico honrado em saber que, apesar da pouca idade, o Lagarto Feroz já tenha uma torcida cativa, que sempre empurra a escola pra frente. O que vocês verão em 2020 é a consolidação de um trabalho que começou há 3 anos. Espero que gostem e se emocionem com o nosso enredo.”

Confira a logo e a sinopse do enredo:

G.R.E.S.V LAGARTO FEROZ
CARNAVAL 2020
ENREDO: TU VENS. TU VENS… EU JÁ ESCUTO OS TEUS SINAIS.

SINOPSE

Tu vens, tu vens… Eu já escuto os teus sinais! Anjos, Pastores, Caboclos, Reis e Rainhas da Cultura Nordestina e seus Guerreiros, te anunciam como filho deste chão.

Tocam violas, entoam repentes. Maracatu para colorir e alegrar a boa nova. Cocos embolam o ritmo da vida em constante transformação, no solo do Agreste Nordestino…

O rio Una que corta carregando toda esperança e fé, banhando de luz prateada o seu curso, traz a sabedoria e encanto das águas da vida, da inspiração.

Berço sagrado da Fazenda Santa Cruz em Terra de serpentes serpentendo a criação. Se tu vens, que venhas nas bênçãos de São Bento.

Siga avante para trilhar novos sonhos que na feira viu e ouviu cantar, xote, xaxado, coco e baião. Pega o violão. Leva no bornal a esperança e gana em agraciar a arte em outros becos, praças ou vielas. Levar para Tv e Rádio em terras sulistas o que o nordeste exalta como sublime, seu ouro em forma de saberes.

Luta branca, luta pacífica. Lutar com as armas da cultura popular. Empunhar calungas, berimbal, pandeiro, violas, agogôs… É a lança guerreira que acerta sem erro as notas das canções. Como a flecha do caboclo caçando comida para saciar sua tribo.

E nos açoites da opressão, refugiar, se inspirar na dor, aguçar e aflorar sentidos para criar viscerais composições. Deixando olhos e paisagens estrangeiras azuis, num contraponto à tropical brasileira em forma de aquarela. O nordeste dos costumes que molda uma nação.

Fazer peripécias futurísticas do mar à estação lunar. Palmilhar de ponta a ponta o canto e a dança do povo, revivendo memórias primárias como berço de inspiração. E criar, criar e criar. Envolvendo novos sons, melodias, experimentando instrumentos, compassos e dando ritmos às mãos do criador. Ser um ícone premiado pelo dom da criação.

E nos encontros dos amigos ecoar a grandiosa tradução narrativa dos amores, sofrimentos, anseios, liberdade, cheiros, sabores e cores, que descrevem a jornada da vida do povo nordestino.

Banhado de sons, agora não mais pelo Rio Una. Um banho da vasta cultura do povo que trafegam em seu olhar e que pulsa um Coração Bobo, um Coração Bola, Coração Balão, ardente como labaredas da fogueira de São João. Pulsante como fervor do Frevo que sobem e descem as ladeiras de Olinda, procurando te encontrar, e reviver memórias dos antigos carnavais.

Nesta jornada da arte, que banha a riqueza da festa momesca, numa alusão a um dos grandes artistas da música popular brasileira e mundial, Alceu Paiva Valença. Trazemos a vida e obra deste ícone da música para a passarela plural do samba, num olhar apaixonante e saudosista assim como o dom da criação. Deixando sua terra marejada de saudade para reviver um grande encontro com o filho deste sagrado deste chão, e ele gritar nos quatro cantos da cidade: voltei, Recife. Foi a saudade que me trouxe pelo braço.

Regras para Concurso de Samba
– O compositor poderá enviar quantos sambas quiser;
– Os sambas poderão ser solo ou em parceria;
– Os sambas serão recebidos até o dia 20 de Fevereiro de 2020
– Enviar um arquivo de áudio do samba enredo e um arquivo da letra do samba para o e-mail: lagartoferoz2017@gmail.com
– A final será realizada dia 06 de Março de 2020.
– Compositores que tiverem alguma dúvida em relação ao enredo e a sinopse entrem em contato com a escola através do mesmo e mail ou via whatsapp: (21) 98053-5580
– Sejam criativos compondo e divirtam-se.

Comentários do Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *