Cantando o poder de cura da Amazônia, Linda Joia Tucuju representa o Amapá na LIESV.

A escola do estado do Amapá, vem mostrar que a Amazônia é uma farmácia natural e tem muito poder de cura, assim como o carnaval, conversamos com o presidente da escola sobre essa estréia, vejam:

1 Porque a escola escolheu esse enredo?

G. R. E. S. Linda Joia Tucuju leva para a avenida do samba João Jorge 30 um enredo que mostra a força de nossa terra – o poder de curar. E nesse momento em que a humanidade passa por uma pandemia; uma das inúmeras que já passou ao longo de sua história, a Amazônia se configura neste cenário como uma farmácia a céu aberto pra que a ciência, aliada ao saber popular busquem através de cascas, resinas, seiva, raízes, tubérculos, brotos, folhas, galhos, flores e óleos a cura para inúmeras enfermidades que acometem o homem.

2- Como será desenvolvido na passarela João Jorge Trinta (ficha técnica, alas, alegorias e afins)

-COMISSÃO DE FRENTE: 15 BAILARINOS E UM TRIPÉ DE COMPOSIÇÃO – Nº DE ALAS: 16 ALAS DE EVOLUÇÃO – ALEGORIAS: 4 CARROS ALEGÓRIOS – CASAIS DE MESTRE-SALA E PORTA-BANDEIRA: 3 CASAIS – BATERIA: 200 RITIMISTAS – PASSISTAS: 10 CASAIS – BAIANAS: 60 COMPONENTES – VERLHA-GUARDA: 01 ALA COM 20 CASAIS

3- Qual a motivação da escola em busca do título?

O G. R. E. S. Linda Joia Tucuju, por ser a primeira escola de samba o Amapá a participar pela primeira vez de um concurso carnavalesco de modo virtual, promovido pela LIESV, nossa motivação está alicerçada na força de nossas ervas e essências. Como se se diz por aqui “Eu venho forte, por que eu sou do Norte!”

4 – O que os espectadores podem esperar da escola? – Através de suas fantasias e alegorias, será um desfile ousado com a marca tucuju de ser, pois a força de nossa ancestralidade será um marco em nossa apresentação.

5 Como será feita a escolha do samba?

O Samba de enredo do G. R. E. S. Linda Joia Tucuju será feito através de uma encomenda específica ao corpo de compositores da própria escola.

6 Considerações Finais.

Esperamos ter repassado à LIESV as devidas informações do desfile do G. R. E. S. Linda Joia Tucuju para o carnaval 2020. Desde já desejamos cordiais saudações carnavalescas ao presidente e sucesso à execução deste carnaval. Reafirmamos ainda, a gratidão e a honr a em participar pela primeira vez deste espetáculo com repercussão nacional.

Agora a sinopse:

A Amazônia é uma verdadeira enciclopédia da medicina natural. A partir de seu chão verde, oferece ao caboclo, aos xamãs, pajés e feiticeiros; de forma divina e generosa, o mérito curativo de cascaras, resinas, seiva, raízes, tubérculos, brotos, folhas, galhos, flores e óleos. A medicina amazônica apresenta seu caráter curativo em torno de um processo mágico-religioso enraizado nas origens indígenas desta terra. Ou seja, é a partir da prática ritualística, transcendental, que o pajé; o homem-medicina, executa a cura do corpo e da alma.

Todo esse saber tradicional dos nossos índios, fez se voltar para nossas matas os olhos da cobiça de invasores de além-mar em séculos passados. A corrida por essas drogas vegetais na Amazônia constituiu o famoso ciclo econômico chamado “drogas do sertão”. Os porões de naus e caravelas saiam abarrotados de ervas e essências para abastecer farmácias e boticários do velho mundo.

A Amazônia ainda continua sendo o imenso reservatório de recursos medicinais; é a maior farmácia natural a disposição do homem. Toda essa experiência milenar do indígena é observada nas “banquinhas” das feiras livres nos quatro cantos desse território verde. Leve dois, pague um. O que vale é garantir a saúde. Como se diz: o que não mata, cura! Que tal um xarope, uma erva cidreira, um elixir, uma garrafada, um óleo de andiroba, de copaíba ou de pracaxi? Tudo isso tem na banquinha da Dona Cheirosinha da Ver-o-peso do Pará.

Mas ainda temos muito a aprender com essa arte. Alguns de nossos conhecimentos já extrapolaram as fronteiras da Amazônia. Somos constantemente saqueados por viajantes, aventureiros e curiosos. Saem daqui levando nosso rico conhecimento para a indústria de fármacos e cosméticos, agregando valor. Porém seu benefício não retorna a quem é de direito. Será que o “O que é bom só vem lá de fora”? Temos muito que explorar cientificamente ainda, mas dando o devido respeito ao homem da floresta. Salve Sacaca. Salve o mestre da cultura e das plantas medicinais do Amapá. O curador da floresta, homem de conhecimento popular cujo seu dom rendeu a fundação de um museu em nossa linda joia Macapá. Espaço que abriga pesquisas e produção de medicamentos fitoterápicos.

Peço licença pra passar com meu samba nesta passarela. Me perdoe se não gostar do meu batuque; ou é doente da cabeça ou doente pé. Mas não se preocupe, trago do Norte, a essência forte da Linda Joia Tucujú para espaiá na avenida do samba o verdadeiro elixir que cura a alma.

Por Sandro Macapá

Comentários do Facebook