Acadêmicos do Marxismo chega à LIESV homenageando Karl Marx! Veja a sinopse.

Chega à LIESV uma das escolas que dará mais o que falar em 2018. Presidida por Emanoel Candal, a Acadêmicos do Marxismo pretende levar à passarela virtual João Jorge 30 uma grande revolução.

Segundo Emanoel, a história de Karl Marx reflete a atualidade: “A festa, o carnaval, a alegria popular estampada no rosto que cotidianamente expressa o cansaço da exploração. A cultura popular é forma de resistência! Assim o Acadêmicos do Marxismo em tempos TEMERosos de retirada de direitos traz, nos 200 anos de Karl Marx, a história deste que é um dos maiores teóricos políticos da história e reflete sua atualidade e necessidade da crítica ao capital. Levaremos para a avenida uma grande revolução. Um espectro ronda o samba!” – finalizou.

Confira abaixo a sinopse do enredo da escola:

Enredo 2018: “Nos 200 anos de Marx, um espectro ronda o samba!”

Sinopse:

Há 200 anos nascia Karl Marx, o velhinho barbudo. Assim como seu método, Marx de forma dialética e olhando para a materialidade foi construindo sua teoria sobre o capital para entender a desigualdade, a fome e a miséria em contraste com a ostentação e a soberba dos grandes senhores burgueses. Começava então a abalar as estruturas de uma sociedade baseada na exploração moderna que emergia: a sociedade capitalista.

Foi de país em país, exilado, expulso, questionando as opressões e ganhando mais elementos para através da academia, dos jornais e das participações políticas deixar nus os grilhões que se escondem em esconderijos insustentáveis presos nos pés daqueles que tudo produzem. A partir de suas formulações foi possível viver o sonho sonhado por aqueles que ousaram lutar e venceram em diversos locais e momentos históricos, assassinados pelas mãos mercenárias dos poucos que não admitem perder seu poder sobre a maioria do mundo.

Ligando os pontos, fez de Hegel e Feuerbach matrizes de seu pensamento após dura análise de suas teorias. Junto ao movimento de trabalhadores, viu na prática suas condições e amadureceu sua teoria de rompimento com o Capital. A verdadeira emancipação está nas mãos daqueles com rostos sujos e exaustos. Viveu sua própria proletarização, dependendo ironicamente do filho rebelde da burguesia; Engels, importante camarada que não aceitava ser parte da história de exploração que sustentava sua família.

Em manifesto, sintetizaram em panfleto as necessidades da liga dos comunistas (organização de trabalhadores) com árduo esforço para que se chegasse nas mãos aleijadas de cada um que lutava para sobreviver e não sabia o porquê. Para isso, foi necessária a confiança daqueles que já não aguentavam acadêmicos oportunistas.

Surgia assim o Manifesto do Partido Comunista. De lá até aqui muita coisa aconteceu, o capitalismo se aprimorou e ainda não morreu, a luta de classes continua viva e dinâmica, assim como as grandes crises de uma sociedade geradora de seu próprio fim.

Tempos passaram até a conclusão de sua obra mais complexa: O Capital. Deixou esse legado para entendermos a situação do proletariado e a dinâmica do sistema capitalista. O Estado a serviço da burguesia; o imperialismo nos países periféricos; a mais-valia; o monopólio; o trabalho escravo e infantil; as crises que caem em nossas costas, pagas com a nossa precarização… A cada luta social, se faz presente Karl Marx, estremecendo a burguesia e nos apontando um horizonte. Para chegar lá, precisamos entender o tempo histórico e suas modificações, mas a luta de rompimento com a opressão é principalmente a luta contra o sistema do patrão.

A G.R.E.S.V. Acadêmicos do Marxismo vem neste ano de fundação contar a história de um dos mais importantes teóricos da humanidade, refletindo pela resistente Cultura Popular – espaço historicamente crítico e construído pela classe trabalhadora como forma de gritar pelas frestas o cansaço cotidiano estampado em seus rostos nos transportes públicos lotados -, a atualidade de seus escritos e lutas em tempos TEMERosos de retirada de direitos daqueles que tudo sustentam, e que jamais deixarão de sonhar por uma sociedade internacional livre de exploração e justa: as/os trabalhadoras/es. Gritamos juntas e juntos: CHEGA! Um espectro ronda o samba!

Autores: Joyce Pitz e Emanoel Candal

A Acadêmicos do Marxismo não realizará concurso de samba enredo, fará encomenda.

 

Comentários do Facebook